AILTON ELISIÁRIO
Nulla dies sine linea
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato Links
CENTENÁRIO MATERNO
CENTENÁRIO MATERNO
Não tivesse o anjo da morte visitado a casa dos meus pais há 31 anos, minha amada mãe estaria comemorando 100 anos de vida. Idade que todos almejam alcançar e que nem a medicina e nem a tecnologia ainda conseguiram viabilizar, não obstante os avanços obtidos pela ciência. Nascida em 12 de abril de 1912, na vizinha cidade de Cabaceiras, Irene ocupava a quarta posição no rol de seis filhos que tiveram meus avós. Falecida em 10 de abril de 1981, com 69 anos de idade, a lacuna por ela deixada jamais foi fechada em minha vida.
Aponta a Bíblia que o tempo do homem na terra é de 100 anos no máximo (Eclo 18,8), tempo este ultrapassado por alguns personagens (Gn 11). Quando eu era menino minha mãe me contava que Jesus Cristo havia dito que o homem só viveria 100 anos e que Maria, sua mãe, compadecida da humanidade, havia apanhado um punhado de terra e jogado ao vento, dizendo que a quantidade de grãos de areia ali contido seria acrescido àquele tempo mencionado por Jesus. Decorridos já vão mais de dois mil anos da vinda de Cristo à Terra e o homem sequer alcançou naturalmente o tempo dado pelo Filho de Deus. Que dizer, então, desse acréscimo mariano? Quando lá chegaremos?
Mas, com mais ou com menos de 100 anos, o que importa é que o tempo de vida de cada pessoa seja tomado de amor, que é a força da própria vida. Já dizia São Paulo que ainda que falasse a língua dos e homens e dos anjos, que tivesse o dom da profecia e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, que tivesse toda fé e distribuísse todos os bens para sustento dos pobres, se não tivesse amor nada seria (1Cor13). E não há exemplo maior dessa verdade que o amor de mãe, que tudo sofre, tudo crê, tudo espera e tudo suporta. Minha mãe não teria sido verdadeira mãe se não tivesse nutrido esse amor.
Que eu poderia dizer no centenário de minha mãe? Que mesmo ela tendo partido seu amor por mim jamais acabou e que ainda vivo por seu amor. O coração de minha mãe está em minha memória e o seu amor ainda me invade e jamais se fará ausente. Por isto que ainda hoje, no ocaso de minha vida, converso com minha mãe como fazia quando era menino, quando me acho em desesperança e a minha fé titubeia. Não penso mais como menino, mas ainda o sou diante da sua lembrança. Eterno amor à mamãe.
Ailton Elisiario
Enviado por Ailton Elisiario em 17/04/2012
Comentários